Atalhos
Audi Comunicação | Festival do CCSP 2014– Uma sessão de pura inspiração
Se você ficou curioso para conhecer um pouco da programação e dos bastidores do Festival do CCSP, nós separamos os melhores momentos desta sessão de criatividade. Confira aqui as fotos e fatos que marcaram os dois dias do evento na Cinemateca Brasileira.
CCSP 2014, São Paulo
782
post-template-default,single,single-post,postid-782,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,
   

Festival do CCSP 2014– Uma sessão de pura inspiração

Em uma tarde cinza e nebulosa, o Festival do CCSP abriu suas portas e recebeu os 14 aventureiros da Audi em nova casa. Pela primeira vez a Cinemateca Brasileira, em São Paulo, recebeu o evento deixando nós, prudentinos, nos sentindo um pouco mais em casa, graças a pequena semelhança com o Centro Cultural Matarazzo. Após o credenciamento, encontramos diversos profissionais da área com um objetivo em comum: Descobrir onde seria injetada a vacina “Anti-Jênio” tão difundida nos materiais de divulgação do festival. A verdade é que cada palestra tornou-se uma dose dela, tornando mais evidente a importância de evoluir com conteúdos que agreguem conhecimento e discussões relevantes para o mercado publicitário brasileiro.

 

Participação Especial Audi - Roger, Gustavo, Rodrigo, Marieli, Adriano, Mônica, Desireé, Rafael, Felipe, Vinícius, Gabriela, Felipe Miguel e Marcelo.

Participação Especial Audi – Roger, Gustavo, Rodrigo, Marieli, Adriano, Mônica, Desireé, Rafael, Felipe, Vinícius, Gabriela, Felipe Miguel e Marcelo.

 

Com uma programação recheada de coisas boas, a equipe Audi se dividiu em busca de temas do interesse de cada área. Aqui, vamos reunir os highlights do Festival, para dar um gostinho do que rolou nestes dois dias. Para começar, Rodrigo Castro e João Unzer falaram sobre sua experiência no exterior, no encontro batizado de “Da Berrini à Madison: o caminho para trabalhar fora do Brasil”. Depois, Fernando Campos, presidente do CCSP, e Mario Borgneth, secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura, abriram oficialmente o Festival, lotado, diga-se de passagem. “É óbvia a aproximação existente entre a publicidade e o universo da cultura. O segmento se constitui como o vetor mais importante na formação de comportamentos e valores, além de porta de entrada para as novas tecnologias audiovisuais”, enfatizou Borgneth.

 

Rodrigo Butori, diretor de criação da La Comunidad, agência com sede em Miami e com foco no mercado multicultural hispano-americano, falou sobre a importância de cada profissional construir sua própria identidade. “Trabalhe para quem você acredita. É um paradigma difícil de ser superado. A cultura de prêmios nos traz não só alegrias pontuais, mas um vazio terrível. A publicidade vai te usar: mas dê o troco. Se sacrifique, mas faça com que ela se torne uma ponte, um meio de você alcançar outras coisas”.

 

Rodrigo Butori

Rodrigo Butori

 

Em outra sala, rolaram as mesas “Conteúdo e Marca: de Patinho Feio a Cisne Rico”, com Francesco Civita, da Prodigo, Luciana Rodrigues, da Turner, Lusa Silvestre, da WMcCann, Lorenzo de Miranda, da Propaganda GEM, e Carlos Leite, da Volkswagen, e “Quando uma ideia não vira anúncio”, com os roteiristas Lusa Silvestre, Jaqueline Vargas e Leticia Wierzchowski.

 

André Kassu

André Kassu

 

O desafio de reunir as melhores peças dos últimos 20 anos ficou na direção de André Kassu. Em em sua palestra, com auditório lotado, Kassu evitou campanhas super premiadas, com ouro, preferindo fazer justiça com peças de diversos segmentos com  ideias brilhantes, mas que não ganharam tanta notoriedade em seus respectivos anos de premiação. André ainda lembrou da grande existência de ideias simples na propaganda de antigamente, contrapondo as grandes produções atuais, que; apesar do investimento em tecnologia, casting e pós-produção;  pecam pela falta de originalidade e criatividade quando comparadas ao passado.

 

Paulo Barros e Washington Olivetto

Paulo Barros e Washington Olivetto

 

Uma das entrevistas inusitadas da noite, Washington Olivetto entrevistou o premiadíssimo, inventivo e inspirado carnavalesco, Paulo Barros. Na prática, a mistura parece não ter dado muito samba, mas Paulo falou sobre seu processo criativo e a experiência de liderar uma equipe de quatro mil pessoas antes e durante os 80 minutos da Marquês de Sapucaí, e avanço do ‘politicamente correto’ nos desfiles.

 

Anuário CCSP 2014

Anuário CCSP 2014

 

No fim do sábado, aconteceu o lançamento do 38º Anuário. Infelizmente, ainda não pudemos colocar as mãos e trazer na mala, já que a distribuição será feita a partir do final do evento, mas em breve ele terá uma cadeira cativa aqui na agência. Uma novidade é que agora o Anuário está disponível também em versão digital, para tablets, totalmente interativa. A versão clássica, no papel, ganhou este ano formato de “moleskine” e também traz inovações em sua diagramação, dando a possibilidade do dono do livro fazer anotações e comentários,talvez aí, uma ligeira inspiração no livro “Destrua Este Diário”. Como afirmou Kassu: “O Anuário registra a história da propaganda no Brasil: esse é o ponto principal deste trabalho, e as agências devem investir nisso para manter essa história viva”.

 

Jonah Peretti

Jonah Peretti

 

Em painel oferecido pelo Google, o sócio-fundadordo Porta dos Fundos e do Kibe Loco, AntonioTabet, subiu ao palco do Festival CCSP para entrevistar o CEO do BuzzFeed e co-fundador do The Huffington Post, JonahPeretti.Especialista em conteúdo viral, Peretti afirmou que um conteúdo viralizado é praticamente uma fofoca “O viral é o conteúdo que conecta pessoas por uma emoção, seja ela qual for. As pessoas têm a necessidade de se sentir próximas umas às outras; quando elas assistem ou leem algo que revele mais sobre elas mesmas ou que seja popular entre seu círculo de amizades, elas irão compartilhá-lo”, assegurou Peretti.

 

Tatiana Lemos

Tatiana Lemos

 

Apontando os martírios e deleites da relação entre agência e cliente, Tatiana Lemos, headof branding & creative da Nestlé, compartilhou sua experiência em atuar como uma ponte entre esses dois mundos na palestra “Howtobe a client”.Tatiana afirmou: “A agência tem de estar com a gente desde o mais tenro comecinho, assim criamos um time único. Precisamos pagar ousadia com resultado, resultado e resultado”.

 

Sergio Valente

Sergio Valente

 

Diretor de comunicação da Globo, Sergio Valente encerrou o primeiro apontando a disposição que existe hoje na maior rede de televisão do Brasil para a transformação. “A Globo é uma empresa comprometida com a mudança. Eu não sou causa, sou consequência”. Para fechar, Valente frisou as três verdades com as quais trabalha: Always beta; alwaysrelevant e People are dying for a goodstory (“o poder do era uma vez nunca vai mudar”).

 

Os Carusos e Jacaré Banguela

Os Carusos e Jacaré Banguela

 

Com um clima de papo de boteco, apresentando uma bagagem artística, humorística e política, Paulo e Chico Caruso empolgaram a plateiana tarde do domingo. Os irmãos gêmeos, de pai, mãe, talento e atuação profissional, foram entrevistados por Rodrigo Fernandes, do Jacaré Banguela. O avô deles era quem, aos quatro anos de idade, os pegava pela mão para mostrar os primeiros traços. “Me ensinaram que se você desenha uma galinha e escreve embaixo ‘isso é uma galinha’, você é um desenhista de merda”, brincou Paulo.

 

Eco Moliterno e Buz Sawyer.

Eco Moliterno e Buz Sawyer.

 

Com uma incrível jovialidade que contrastava com a idade avançada, Buz Sawyer, diretor do conselho da HyperIsland, uma escola de inovação e formação de novos talentos e ex Wieden + Kennedy NY, onde ajudou a coordenar a primeira campanha global da Nike. Sawyer, que esteve presente em duas grandes revoluções na publicidade: A primeira, quando marcas se aventuraram em campanhas globais e a segunda, quando o digital passou a ser realidade na comunicação com o consumidor. A entrevista, comandada por Eco Moliterno, da Africa trouxe um bate-papo descontraído mostrou uma grande preocupação do avanço do que hoje dividimos entre tradicional e digital. Buz apresentou uma série de dados que comprovam que não é possível mais haver esta divisão, já que o caminho trilhado pelas agências devem passar diante de um ponto de vista holístico, que vá de encontro com a necessidade da marca ou produto. Não podemos criar uma estratégia off e adaptar para o on. As ideias devem estar conectadas desde o início. Buz ainda enfatizou a importância de uma equipe multitarefa e que sabe aproveitar os insights, seja de quem ele vier.

 

TruckFood

TruckFood

 

Nos intervalos, pudemos conhecer um pouco da gastronomia a lá TruckFood, com os trailers no pátio da Cinemateca.Na palestra “O Processo Criativo de Efeitos Especiais”, com Sandro di Segni da O2 Filmes, deixou os diretores de arte da agencia impressionados com sua experiência. Apesar de falar pouco, o currículo vasto gritava o talento como Diretor de Efeitos Especiais em longas como ‘Homem de Aço’, ‘Harry Potter’ e ‘Godzilla’.

 

Mauro Cavaletti, Eduardo Paraske, Gabriela Hunnicutte Daniel Bottas.

Mauro Cavalletti, Eduardo Paraske, Gabriela Hunnicutte Daniel Bottas.

 

Na mesa “As redes sociais estão se transformando em canais de mídia. Vale misturar conteúdo e propaganda?”, Gabriela Hunnicutt (Bold Conteúdo) moderou a conversa com Daniel Bottas (Facebook), Eduardo Paraske (Samsung), Mauro Cavalletti (JWT) e Tiago Lucci (SapientNitro). Com cases de cada cliente e respondendo os desafios de tornar as marcas relevantes nas redes sociais, a mesa foi unânime no quesito criatividade e investimento. As marcas precisam dar valor ao potencial criativo e, ao mesmo tempo, entender que as campanhas devem ser estruturadas com investimentos justos. As pessoas não estão interessadas no que o produto/serviço tem, elas querem saber como ele pode ser relevante na vida delas, e a partir daí, criar um diálogo com a marca.

 

Equipe Audi nos bastidores das palestras: Marieli, Roger, Mônica e Desireé.

Equipe Audi nos bastidores das palestras: Marieli, Roger, Mônica e Desireé.

 

Após esta verdadeira imersão cultural e criativa, voltamos para casa com a missão de injetar as novidades e inspirar toda a equipe.Este é um dos nossos primeiros esforços, compartilhando um pouco da experiência e deixando registrado o valor de encontros como este Festival. Ainda que seja uma realidade bem diferente de muitos clientes, principalmente do interior, não podemos abrir mão de buscar sempre a inovação para que nossos trabalhos reflitam a (r)evolução que existe, quando se faz aquilo que se ama e que se propõe a fazer bem feito.

 

(*) Rafael Bento
Redator da Audi Comunicação. 

Nenhum comentário

Insira seu comentário